domingo, julho 21, 2024

Bienal de SP será poética, enigmática e performativa, dizem curadores

Mais Lidas
Agência Brasil
Agência Brasilhttps://agenciabrasil.ebc.com.br
Agência pública de notícias vinculada à Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Informação, cidadania, educação e cultura.

Com o tema Coreografias do Impossível, a 35ª Edição da Bienal de São Paulo, que acontece na capital paulista entre os dias 6 de setembro e 10 de dezembro deste ano, pretende desafiar o impossível, discutindo as urgências do mundo atual.

Com 120 artistas já confirmados para esta edição e uma curadoria que trabalha de forma coletiva, a Bienal de São Paulo está propondo para este ano um evento mais poético, enigmático e performativo, abraçando a ideia de movimento e repelindo o tempo linear. Esta será uma Bienal sem divisão por temas e sem cronologia.

“Na Bienal se rompem as disciplinas. Tem gente que vem do mundo da arte, tem gente que não vem do mundo da arte. Mas ela não vai ser uma Bienal descritiva ou literária. Tem um componente poético, enigmático, que é impossível de ser absorvido em uma marca ou algoritmo. E isso gera um espaço que é o espaço da poética, que é o que reivindicamos”, disse Manuel Borja-Villel, um dos nomes que assina a curadoria da Bienal junto com Diane Lima, Grada Kilomba e Hélio Menezes.

“[A Bienal deste ano] tem essa dimensão performativa muito forte, onde muitas das obras nos convidam a pensar e a imaginar radicalmente o que são esses contextos impossíveis e quais são as soluções – em termos de linguagem e de estratégias – que esses artistas encontram no seu cotidiano para sobreviver e também para encontrar modos de expressão”, explicou Diane Lima.

As coreografias do impossível acontecem logo após o impacto de uma pandemia do novo coronavírus e também depois de um governo de extrema-direita no país, que chegou a extinguir o Ministério da Cultura. “Esses projetos e os desafios políticos, econômicos, sociais e ambientais que a gente viveu com intensidade nos últimos quatro anos no Brasil era também reflexo de um processo histórico muito maior na qual se vê – e se prova – que os projetos de justiça, liberdade e igualdade não são realizações possíveis”, disse Diane, acrescentando que essas obras [que estarão na Bienal], de fato, nos ajudam a refletir um tanto quanto sobre todos esses pontos”.

O tema escolhido pela Bienal pretende fazer com que o público se mova entre as obras, atravessando os limites e os contornos do prédio e escapando das impossibilidades do mundo.

“Nós vivemos em um mundo marcado por uma série de impossibilidades, por um mundo em que a prática da violência se cotidianiza. E essas práticas desses impossíveis têm impactos nas produções estéticas, nas produções éticas, nos contextos artísticos. Interessa-nos, portanto, reunir e colocar em diálogo artistas cujas produções têm desafiado, questionado, recusado, gingado, esses impossíveis”, disse Hélio Menezes.

Os artistas

Embora não tenha a intenção de ser explicada, coletividade e pluralidade são termos que podem ajudar a definir a Bienal deste ano. Isso começa pela curadoria. “São quatro pessoas com padrões muito distintos, de trajetórias muito distintas, de formas de fazer muito distintas, que falam de posições distintas e que se unem para trabalhar conjuntamente”, disse Borja-Villel. “Nessa equipe, pela primeira vez, não há um curador-chefe. E tampouco tem uma direção pré-determinada. O que temos é um projeto que se vai construindo”, acrescentou.

Esses dois termos também foram valorizados para a escolha dos artistas selecionados e que vem sendo chamados pelos curadores de “coreógrafos do impossível”.

Na lista desses artistas estão vozes da diáspora e dos povos originários, como o coletivo Mahku, grupo de etnia huni kuin e que este ano esteve presente em uma exposição no Museu de Arte de São Paulo (Masp). “É a primeira vez que vamos expor na Bienal de Arte de São Paulo”, disse Ibã Kaxinawa, um dos integrantes do coletivo, em entrevista à Agência Brasil.

Para ele, participar da Bienal é importante para mostrar que as culturas indígenas continuam existindo e resistindo no Brasil. “É importante mostrar tudo o que a gente tem e o que ainda restou”.

A matéria-prima do coletivo Mahku são as mirações que eles vivem e visualizam nos rituais de ayahuasca, chamados de nixi pae. Os trabalhos apresentam figuras bidimensionais, com cores vivas e intensas, e as histórias são compostas a partir dessas experiências nos rituais.

Ibã disse que atualmente o grupo vem trabalhando na pintura para a Bienal e que estão felizes com o convite para participar do evento. “Nós vamos mostrar os cantos de cura. Esse trabalho discute a importância de cura”, disse ele.

Projeto arquitetônico e expográfico

Para realçar a ideia de movimento e de bailado contra as impossibilidades do mundo, o projeto arquitetônico e expográfico dessa Bienal, realizado pelo escritório Vão, pensou em propor um novo fluxo para o visitante, no qual ele se torna protagonista do processo. Com isso, o vão central do Pavilhão Ciccillo Matarazzo da Bienal será inteiramente fechado, pela primeira vez na história.

“Esse projeto arquitetônico e expográfico se organiza a partir de duas intervenções chaves no prédio”, destacou Hélio Menezes.

A primeira delas, disse o curador, busca promover uma coreografia, enfrentando o projeto original de Oscar Niemeyer. “Isso significou, em primeiro lugar, a construção de espaços arquitetônicos que prezam por momentos de contração e de abertura. Em um andar teremos várias salas individuais, que se agrupam na região central. E todo o seu contorno será um grande espaço aberto onde as instalações e as obras vão dialogar sem qualquer fronteira de paredes ou divisões. E um outro andar do prédio fará o contrário”, explicou.

A segunda proposta, que incluiu o “semi-fechamento da rampa que dá acesso ao segundo andar do prédio”, pretende fazer com que o visitante altere o caminho esperado do prédio. “Essa proposta de inversão de percurso abre, em realidade, para infinitas possibilidades de trajetória dentro da exposição. Essa é uma arquitetura aberta porque os visitantes vão criar os seus próprios trajetos”, disse Menezes.

Além da exposição

Neste ano, a Bienal também está propondo outras formas de diálogos com o público visitante. Com isso, além do espaço expositivo, o evento vai promover uma programação com mesas, performances e ativações de obras. Isso, segundo Hélio Menezes, vai ocorrer durante todo o evento.

“Isso é algo importante de sublinhar porque é uma Bienal que não vai acontecer apenas em sua dimensão expositiva, mas que tem um dinamismo de funcionamento que convida também ao bailado desses corpos ao longo de três meses da programação”, disse ele.

Outro destaque é que haverá a participação da Cozinha da Ocupação 9 de Julho. “Essa comida vem de uma cadeia produtiva responsável, de Agricultura Familiar, em um processo em que não há mão de obra escravizada e em que há um controle sobre o uso de agrotóxicos e outros venenos no processo de produção alimentar”, falou. “É ao redor da mesa da cozinha que todos nós nos reunimos e também será ao redor dessas provocações que a comida pode trazer que a 35ª também performará uma outra maneira de pensar uma exposição de arte”, acrescentou.

Mais informações sobre a 35ª Bienal de São Paulo, que é gratuita mas que ainda está em fase de preparação, podem ser obtidas no site.



Fonte: Fonte: Agência Brasil

- Advertisement -spot_img

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -spot_img
Últimas Notícias
- Publicidade -spot_img

Notícias Relacionadas

- Publicidade -spot_img
Top Of Mind